• Corpos insubmissos (2.ª edição) | Luta antirracista para além das «crises»: resistências e insurgências nas trincheiras da democracia

    Apresentação
    A negação de direitos básicos ao povo negro é uma constante nas sociedades democráticas e constitui a experiência (desumanizada) do ser negro no mundo moderno (MBEMBE, 2016; ALVES, 2018; PIRES & FLAUZINA, 2019). Nesse sentido, interpretar as dinâmicas políticas na atualidade em toda a sua complexidade requer uma análise que contextualize historica e criticamente a relação entre colonialidade, antinegritude e os fundamentos sob os quais estão assentados o sistema democrático moderno, as instituições jurídico-políticas e o direito moderno. O necropoder e sua faceta mortífera expressa na violência contra a população negra é inerente à constituição da soberania dos Estados Modernos (GOLDBERG, 2002; MBEMBE, 2002) e, portanto, o extermínio diário da juventude negra, a violência contra as mulheres negras, o encarceramento em massa da população negra, a perseguição às religiões de matriz-africana, a negação das cosmologias não-eurocêntricas não podem ser interpretadas como facetas de uma de crise política, categoria muito recorrente nos tempos atuais para explicar algumas configurações políticas em ascensão como a eleição de representantes da extrema-direita na Europa e de governos autoritários na América Latina. Nesse sentido, a segunda edição do Seminário Corpos Insubmissos pretende trazer para o cerne do debate no mês da Consciência Negra, algumas reflexões acerca dos dilemas que temos vivenciado nos últimos anos, principalmente no contexto brasileiro, em estreito diálogo com a produção crítica negra  com foco nos campos da educação, das linguagens e do Estado Moderno.

    Área(s) temática(s)do curso
    Anti- racismo, Produção de conhecimento, movimentos de base

    Público-alvo: Alunos de pós-graduação em ciências sociais e humanas, ativistas políticos e membros de ONGs na área de anti-racismo, professores nas áreas de Sociologia, História e Geografia, jornalistas e afins.

    Limite máximo de inscrições: 30 | Data limite para Inscrição: 15 de novembro

    Línguas de trabalho: português

    Seminário de entrada gratuita, com inscrição obrigatória

    Nota: Nos dias do seminário estará patente uma exposição fotográfica do Grupo Azagaia do Povo